258

Desenvolvimento de projetos STEM com a TI-Nspire: Algoritmia, programação e robótica numa abordagem transdisciplinar turma C1

Apresentação

No Despacho n.º 6478/2017, 26 de julho são apontadas como imperativas algumas competências que devem ser desenvolvidas por todos os alunos no final da escolaridade obrigatória, nomeadamente competências associadas a raciocínio e resolução de problemas, ao desenvolvimento de processos conducentes à construção de produtos e de conhecimento, utilizando recursos diversificados, ao saber científico, técnico e tecnológico, à manipulação e manuseio de materiais e instrumentos diversificados para controlar, utilizar, transformar, imaginar e criar produtos e sistemas; à criação de produtos tecnológicos em projetos e aplicações práticas desenvolvidos em ambientes físicos e digitais, entre muitas outras. Desta forma, a utilização de calculadoras gráficas e sistemas associados para desenvolvimento de projetos que conjuguem algoritmia, programação, robótica e aquisição de dados com sensores permite, por um lado, promover uma eficaz articulação entre diferentes áreas do saber inerentes a diversas disciplinas integrantes do currículo nacional dos alunos e, por outro, o desenvolvimento de competências em alunos e professores para o trabalho colaborativo, inovador, e no âmbito do pendor STEM. O desenvolvimento de trabalhos envolvendo professores de diferentes grupos de recrutamento, potencia a possibilidade de adaptação dos projetos realizados, no âmbito desta formação, ao contexto dos Domínios de Áreas Curriculares definidos em Projetos de Autonomia e Flexibilidade Curricular.

Destinatários

Professores dos grupos 500, 510 e 550

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 500, 510 e 550. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 500, 510 e 550.

Objetivos

• Mobilizar os professores para o desenvolvimento de práticas inovadoras no ensino; • Contribuir para o aperfeiçoamento das competências científicas, técnicas e didáticas necessárias ao trabalho colaborativo e de projeto, nomeadamente de pendor STEM; • Fomentar o desenvolvimento de autonomia e de autoconfiança no trabalho com equipamentos tecnológicos necessários à realização de projetos interdisciplinares; • Permitir o aprofundamento dos conhecimentos relativos a tecnologias atuais; • Explorar e criar materiais didáticos diversificados; • Promover a utilização da tecnologia na exploração de situações problemáticas; • Refletir sobre as vantagens e inconvenientes da utilização da tecnologia nas atividades de ensino-aprendizagem; • Incentivar a investigação e a troca de experiências entre os professores contribuindo para a sua formação; • Promover a reflexão sobre a metodologia STEM; • Atualizar e aperfeiçoar alguns conhecimentos científicos, operacionalizando-os em termos práticos.

Conteúdos

• Apresentação da ação e identificação de metodologias ativas propostas nos programas que exigem a utilização das tecnologias em causa (1h); • Apresentação dos componentes da tecnologia (1h); • Noções gerais de algoritmia e de programação: aplicações práticas (4h); • Realização, exploração e discussão de projetos envolvendo algoritmia e programação com a tecnologia TI-Nspire e sua articulação com as áreas disciplinares envolvidas (6h); • Trabalho autónomo: Desenvolvimento de projetos envolvendo algoritmia e programação com a tecnologia TI-Nspire em contexto de ensino/aprendizagem (15h); • Apresentação dos trabalhos desenvolvidos. Avaliação (3h).

Avaliação

A avaliação da Oficina de Formação é realizada de modo contínuo pelo formador em conjunto com os formandos, e tem como referência os objetivos e finalidades da Formação. Esta avaliação incide sobre o desenvolvimento das competências dos formandos ao longo do percurso formativo. São tomados em consideração os seguintes aspetos: • Empenho e participação nas sessões; • Qualidade dos instrumentos de trabalho produzidos nas sessões; • Qualidade das interações com os restantes elementos do grupo em formação e formador; • Qualidade e pertinência pedagógica do trabalho autónomo desenvolvido; • Reflexão crítica sobre a formação vivenciada. A avaliação quantitativa dos formandos será expressa numa escala de 1 a 10 valores, nos termos do artigo 4.º, nº 6, do Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio. A avaliação será, igualmente, expressa em termos qualitativos em conformidade com a escala que a seguir se insere: • Excelente — de 9 a 10 valores • Muito Bom — de 8 a 8,9 valores • Bom — de 6,5 a 7,9 valores • Regular — de 5 a 6,4 valores • Insuficiente — de 1 a 4,9 valores

Bibliografia

Aldon, G. et al Nouvel environnement technologique, nouvelles ressources, nouveaux modes de travail : le projet e-CoLab, Répères-IREM 72 et EducMath , 2008.Martins, G. et. al., Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória, Editorial Ministério da Educação e Ciência, 2017.Gomes, A; Santos, J., Algoritmia, programação e robótica com a TI-Nspire CX II-T, FCA Editores, 2019.

Formador

Alexandre Augusto dos Reis Gomes

Início: 26-04-2024
Fim: 24-05-2024
Acreditação: CCPFC/ACC-122826/24
Modalidade: Oficina
Pessoal: Docente
Regime: Presencial
Duração: 30 h
Local: AE Joaquim Inácio da Cruz Sobral

INSCREVER-ME